A campanha mundial de vacinação contra covid é um crime contra a Humanidade

Das últimas semanas de 2020 até 1º de fevereiro de 2022, mais de 60% da população mundial foi injetada com vacinas Covid-19.

Isso significa que em um período de menos de quatorze meses mais de 4,7 bilhões de pessoas receberam pelo menos uma vacina contra a Covid. Dezenas de milhões receberam até quatro doses.

O primeiro ensaio clínico de vacinas Covid foi lançado na Alemanha em 23 de abril de 2020 com a vacina Pfizer–BioNTech. O primeiro país a autorizar o uso da vacina na população geral foi o Reino Unido. O Reino Unido emitiu sua autorização em 2 de dezembro de 2020, e esse ato foi rapidamente seguido por dezenas de outras nações. Os Estados Unidos emitiram sua autorização de uso emergencial em 11 de dezembro.

Isso significa que a massiva campanha global de vacinação – que rapidamente atingiu um nível frenético – foi lançada menos de 8 meses após o início dos ensaios clínicos.

Começar a administrar uma vacina à população em geral dentro de um período de teste tão curto foi totalmente sem precedentes nos anais da medicina moderna.

Para estabelecer que uma vacina é segura, testes extensivos de longo prazo devem ser realizados. Este processo envolve ensaios clínicos multifásicos e estudos observacionais que incluem um grande número de indivíduos ao longo de períodos de tempo medidos em anos. Esse processo completo e abrangente leva pelo menos cinco anos para ser concluído e geralmente muito mais tempo. De acordo com a Universidade Johns Hopkins:

“Um cronograma típico de desenvolvimento de vacinas leva de 5 a 10 anos, e às vezes mais, para avaliar se a vacina é segura e eficaz em ensaios clínicos, concluir os processos de aprovação regulatória e fabricar quantidade suficiente de doses de vacina para ampla distribuição”.

Somente após a conclusão satisfatória deste regime abrangente, uma vacina pode ser considerada razoavelmente segura para administração em massa ao público em geral.

No entanto, mesmo a conclusão desse longo processo não garante que uma vacina seja completamente segura. Após receber a aprovação total, as vacinas continuam a ser cuidadosamente monitoradas quanto a eventos adversos, caso alguma falha vacinal possa ter escapado à detecção durante a fase de testes de vários anos. Houve uma série de vacinas que foram retiradas do mercado depois de receberem aprovação total devido a problemas de segurança inesperados. Algumas delas incluem vacinas para rotavírus, doença de Lyme e coqueluche de células inteiras, entre outras.

Portanto, para que uma vacina seja justificadamente declarada “completamente segura”, ela deve passar por pelo menos cinco anos de testes intensivos em ensaios clínicos e depois vários anos de monitoramento à medida que é administrada em populações em geral.

As vacinas Covid, no entanto, foram declaradas publicamente como “completamente seguras” menos de 8 meses após o início dos ensaios clínicos em humanos. No cronograma normal de ensaios de vacinas, o mês 8 está na Fase 2 do regime de ensaios clínicos de três estágios.

A alegação de que as vacinas Covid eram “completamente seguras” era, portanto, completamente injustificável e infundada. Aqueles que fizeram essa alegação se envolveram em um ato deliberado e inconcebível de fraude pública.

E, no entanto, essa alegação foi usada como base para uma campanha mundial na qual mais da metade dos habitantes da Terra foram injetados com produtos farmacêuticos experimentais que não passaram por testes adequados.

A frase “segura e eficaz” tornou-se o slogan de fato do empreendimento de vacinação em todo o planeta. Acreditando que as vacinas eram “completamente seguras”, bilhões de pessoas voluntariamente – e até com entusiasmo – fizeram fila para receber suas injeções de Covid.

Nem é preciso dizer que nem todos estavam dispostos a aceitar a propaganda. Desconsiderando todas as objeções razoáveis, no entanto, muitos governos decidiram que a vacinação universal era seu objetivo e decidiram que os relutantes precisavam ser coagidos. Isso eles procuraram fazer por meio de decretos de vacinas diretas e passaportes covid ou certificados digitais. Esses dois últimos foram concebidos de forma a obrigar os hesitantes a se submeterem as injeções sob pena de serem excluídos do curso normal da vida social.

Autoridades governamentais e de saúde pública justificaram essa abordagem drástica afirmando repetidamente que as vacinas eram “completamente seguras” e eficazes e, por isso, não havia problema em forçar as injeções mesmo naqueles que não queriam tomá-las.

A alegação de “segura e eficaz” foi, portanto, usada como meio de sedução e coerção para a cruzada de vacinação contra a Covid em todo o planeta.

Precisamos fazer uma pausa aqui e contemplar o gigantesco empreendimento “realizado” pelos vacinadores. Menos de 22 meses após o início dos ensaios clínicos, eles conseguiram injetar a pluralidade da humanidade com seus produtos inadequadamente testados. Se as coisas estivessem sendo feitas corretamente, agora os desenvolvedores da vacina estariam se preparando para a Fase III dos ensaios clínicos. Esta fase ocorre normalmente entre os meses 24 e 48 após o início do processo de teste. É assim que a Universidade Johns Hopkins descreve o que se trata este estágio:

“Os ensaios clínicos de fase III são críticos para entender se as vacinas são seguras e eficazes”.

A Fase III é onde agora nos encontramos na linha do tempo do desenvolvimento da vacina. No caso das vacinas contra a Covid, no entanto, os testes da Fase III não estão sendo realizados em um grupo selecionado de voluntários, mas na população mundial.

Os bilhões que foram seduzidos e coagidos a participar desse experimento não foram informados honestamente sobre a verdade da situação, ou seja, que as vacinas Covid não foram submetidas a experimentos e testes adequados e que seu perfil de segurança não pôde ser estabelecido com nenhum nível satisfatório de precisão. Em vez disso, mentiram para eles e disseram que as vacinas eram “completamente seguras”.

De acordo com o cronograma normal, os testes da Fase III das vacinas Covid seriam concluídos em abril de 2024. Se essa fase ocorresse sem problemas, abril de 2024 seria o mais cedo em que alguém poderia começar a dizer que as vacinas Covid são “seguras e eficazes.”

É tão surpreendente quanto assustador que essa campanha de vacinação em larga escala e extremamente rápida, com substâncias insuficientemente testadas, tenha sido permitida, apesar de as injeções conterem uma nova tecnologia de mRNA de transferência de genes que nunca havia sido tentada antes. Devido à presença dessa nova tecnologia, essas vacinas deveriam ter sido abordadas com muita cautela e testadas com o máximo de rigor e vigor. Surpreendentemente, isso não aconteceu. Muito pelo contrário, alguns dos componentes mais rudimentares da rotina habitual de julgamento foram dispensados ​​casualmente.

Cerca de quatorze meses após essa operação global de injeção, é óbvio que a alegação de que as vacinas são “completamente seguras” não era apenas infundada, mas totalmente falsa.

Logo após o início da vacinação, começaram a surgir relatos de reações adversas graves e mortes. Por favor, veja o gráfico abaixo que mostra a explosão de relatórios de morte para o banco de dados VAERS do governo dos EUA. Essa explosão começou no final de 2020, quando os vacinadores começaram a administrar seus produtos COVID ao público em geral.

Dentro de alguns meses, os relatórios de morte obtidos pelas injeções de Covid excederam a contagem anual de qualquer outra vacina na história do banco de dados. Em menos de doze meses, o número de mortes relacionadas às injeções de Covid superou o total de mortes registrado em relação a todas as outras vacinas nos últimos trinta anos.

Estes números são assustadores para vacinas que deveriam ser “completamente seguras”.

Embora os vacinadores tentassem encobrir e minimizar os efeitos colaterais devastadores de seu produto, a realidade não podia ser escondida. A miocardite e a pericardite tornaram-se consequências bem documentadas das injeções da Pfizer e da Moderna. Em dezembro do ano passado, os cientistas do AstraZeneca finalmente admitiram algo que já era conhecido há muitos meses, ou seja, que sua vacina estava causando coágulos sanguíneos mortais.

Tentando suavizar ao máximo as notícias, esta é a manchete com a qual o Mail Online anunciou este fato terrível:

AstraZeneca descobre o que está provocando coágulos sanguíneos após a injeção: a vacina age como um ímã e atrai plaquetas que o corpo confunde com uma ameaça e ataca.

Pode-se ter uma noção de quão perigosas e mortais são essas vacinas pelo fato de que, doze meses após o lançamento da campanha de vacinação, mais de 1.000 artigos e estudos apareceram em revistas científicas revisadas por pares descrevendo vários efeitos colaterais desses produtos farmacêuticos. A maioria dos efeitos colaterais discutidos são graves e mortais. Eles incluem:

Hemorragia cerebral fatal

Trombose venosa

Púrpura trombocitopênica imune

Miopericardite

A síndrome de Guillain-Barré

Tromboembolismo venoso agudo

Linfadenopatia

Trombose da veia porta

Linfoma de células T

Afasia

Anafilaxia

Cardiomiopatia

Trombofilia

Injetar mais da metade de toda a humanidade com produtos farmacêuticos perigosos e inadequadamente testados, baseados em uma tecnologia nunca antes testada, alegando que eles são “completamente seguros” constitui provavelmente o maior crime contra a humanidade já cometido.

Nunca antes nenhum governo, um ator internacional ou uma cabala transnacional empreendeu um ato que exporia uma faixa tão grande da humanidade a um perigo tão sério.

Esta operação foi realizada sob falsos pretextos e aqueles que a iniciaram sabiam que suas alegações eram infundadas e falsas.

A pergunta que deve ser respondida é esta: como algo assim pôde acontecer?

Incontáveis ​​milhões em todo o mundo já sofreram efeitos colaterais graves dessas injeções no curto prazo. E ainda não sabemos quais podem ser as consequências a médio ou longo prazo, uma vez que essas vacinas não foram testadas para esses prazos.

Lembre-se de que os ensaios clínicos para a vacina Covid começaram apenas há menos de 22 meses. Em um período tão curto de tempo é simplesmente impossível avaliar adequadamente a segurança de qualquer vacina.

A cruzada de vacinação Covid-19 é um crime mundial inédito.

Os cúmplices desse grande crime contra a humanidade são os fabricantes de vacinas, os líderes das agências reguladoras, autoridades de saúde pública e políticos. Também cúmplice é a mídia que ampliou infinitamente a afirmação “completamente segura” que se tornou o mantra sob o qual esse empreendimento foi realizado.

Os responsáveis por isso devem ser obrigados a responder por seus atos em ambientes legais para que suas ações possam ser avaliadas e julgadas de acordo com as leis e estatutos nacionais e internacionais.

Fonte Original

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: