Joss Stone: “Eles queriam me controlar”

Joss Stone é uma cantora britânica que chegou à fama em meados de 2003 com apenas 16 anos. Na época, a artista teve discos aclamados, que foram bem vendidos ao redor do mundo. Ela quebrou recordes em seu país e conseguiu se tornar uma das artistas pop britânica de maior sucesso de sua época. Joss, no entanto, tornou-se mais um exemplo de como a indústria da música, no geral, recruta jovens talentos para mais tarde usá-los como marionetes para empurrarem a “propaganda” barata da Nova Ordem Mundial, que é bastante ampla. No caso de Joss, contudo, ela não se vendeu.

Em posts anteriores sobre a Indústria da Música, discutimos como alguns artistas são recrutados logo quando jovens e começam sua carreira geralmente com um estilo “inocente e juvenil”, mas depois, após alguns trabalhos, adotam um estilo mais sexy ou dark. Por que tem sido sempre assim? A verdade é que a indústria os deixa fazer o que quiserem por algum tempo até se acostumarem com a fama e o sucesso. Quando eles já não puderem mais viver sem o glamour da vida de um artista, os “donos” da indústria começam a ditar as regras, prometendo a esses artistas mais fama e sucesso se aceitarem suas condições. É óbvio que dentro desse contexto, ainda não temos conhecimento de muitas coisas que acontecem, porém o passo principal para entender mais sobre esse processo começa quando artistas como Joss Stone abrem a boca.

Em entrevista à mídia brasileira, a cantora Joss Stone afirmou que sua gravadora queria mudar até a cor de seu cabelo para loiro. Lembre-se que a maioria das artistas sex-kitten “vivem de cabelo loiro”. Joss, no entanto, não quis se tornar uma sex-kitten. Para conseguir cantar sua própria música e não se render aos “chefes” da indústria, ela optou por romper com a gravadora EMI e criar seu próprio selo. Um ótimo exemplo para muitos que provavelmente se venderam por menos.
“Minha gravadora na época queria mesmo me controlar, muito! Mas, para resumir, não funcionou para eles. Eles eram difíceis. Queriam que eu tivesse cabelo loiro, eu queria ter cabelo rosa. Acabei fazendo o que eu queria. Não estou mais com eles. Faço música do jeito que gosto, tenho ótimos momentos com isso. Mas se eu não tivesse aquela experiência, não teria apreciado a liberdade que eu tenho hoje. Então eu precisava ter passado por aquilo.”

Fonte

Joss_Stone_-_Colour_Me_Free!_album_cover

Joss Stone se retratando enjaulada na capa de seu disco, ainda na EMI, em 2009.

Em 2009, ainda na EMI, e em meio a uma relação conflituosa com sua gravadora, Joss Stone conseguiu lançar seu quarto álbum de estúdio “Colour Me Free” (imagem acima). O disco contém o single “Free Me”, que foi uma canção de protesto contra a EMI. Na canção, Stone canta que não podem dizer para ela o que deve fazer. A canção foi um fracasso comercial, sem chegar a uma posição razoável nas paradas. É claro que a EMI não iria fazer desse protesto um sucesso comercial e boicotou todo o disco. Veja a letra dessa canção:

Não é que eu tenha o pé atrás com você
E você sabe que eu tenho um sentimento bom por você
Porque há algo profundo dentro de mim
Tenho que ser

E se você achar que é difícil me seguir
Se eu solta-lo em meu fluxo criativo
Você tem apenas que levantar seus olhos
E me ver voar

Não venha me dizer que não vou, pois eu posso
Não venha me dizer que eu não sou, pois eu sou
Não venha me dizer que os meus planos
Não passam disso

Não venha me dizer que não vou, pois eu irei
Não me diga como devo pensar, pois eu sinto
Não me diga porque eu sei o que é real
O que eu posso fazer

Algo que você não vê todos os dias
Uma garotinha que encontrou seu caminho
Por um mundo que é feito para acabar com
Todos os seus sonhos

Eu acho que tem uma coisa que vou dizer a você
Que não há nada que você possa fazer
Porque é tudo sobre a sua atitude
Que não deixa eles chegarem até você

Não venha me dizer que não vou, pois eu posso
Não venha me dizer que eu não sou, pois eu sou
Não venha me dizer que os meus planos
Não passam disso

Não venha me dizer que não vou, pois eu irei
Não me diga como devo pensar, pois eu sinto
Não me diga porque eu sei o que é real
O que eu posso fazer

E quando estamos cantando é a nossa voz
Nós podemos fazer essa escolha de ser
De ser livre agora
E quando estamos cantando é a nossa voz
Nós podemos fazer essa escolha de ser livre
De ser livre agora

Musica, hey,  te amo!
Yeah, yeah, yeah, yeah
Sim, eu amo
Music now, now, now, yeah, L-U-V, baby
Eu amo isso, sim, eu faço isso agora!

Não venha me dizer que não vou, pois eu posso
Não venha me dizer que eu não sou, pois eu sou
Não venha me dizer que os meus planos
Não passam disso

Não venha me dizer que não vou, pois eu irei
Não me diga como devo pensar, pois eu sinto
Não me diga porque eu sei o que é real
O que eu posso fazer

Para justificar tanta rebeldia, a gravadora deve ter proposto algo muito errado a ela. Não é?

Usei a referência deste site, que também divulga esse tipo de material, baseado no VigilantCitizen.com

Abraços, Paz e Luz!

Rodrigo Kladwan

Um comentário sobre “Joss Stone: “Eles queriam me controlar”

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s