Macaco com navalha

A regra da vida é que molda o fantoche,
estabelecida para o progresso,
e a sua saída é fingir que ainda pode
sorrir disfarçado no silêncio terno.

O homem de nome esconde a fonte,
especulando sob o caos incerto:
ditar o dilema ou limitar o molde?
Sorrindo escondido, gravata e terno.

Fez-se, sozinha, sua própria morte,
se enganando que sou eu quem quero,
jogando ao vento sua única sorte,
fingindo não olhar além do concreto.

Esperança perdida, ferida e corte,
cicatrizando do jeito moderno:
esquecendo o sonho, sonhando que volte
fingimento, cimento, reboco e concreto.

Fingindo a regra, disfarçado de corte,
molda-se, enganando, cimento moderno:
ditar a saída ou fingir que ainda pode
sorrir além do sonho concreto?

Perdida, sozinha, esconde a morte,
especulando sobre o caos e o progresso.
Cicatrizando com reboco e sorte,
sorrindo ao dilema do vento concreto.

O silêncio da vida, disfarçado de fonte,
escondido, jogando do jeito que eu quero:
a única esperança, fingimento que volte,
esconde o olhar de homem terno.

Se o nome escondido sob o fantoche
fez a ferida no sonho incerto,
a própria gravata ainda é o molde
para limitar o macaco de terno.

O Criador.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s